Papa Francisco diz que Big Bang e evolução foram instrumentos de Deus

Para Francisco, a explosão criadora do Universo, que hoje se coloca como origem do mundo, não contradiz a intervenção criadora divina, mas a exige. Foi o que declarou em discurso na Pontifícia Academia de Ciências. Na ocasião, o papa inaugurou um busto de Bento XVI 

 

 

Ao criar o Universo, “Deus não agiu como um mago, usando uma varinha mágica para fazer tudo”, declarou o papa Francisco, ao afirmar que o Big Bang e a evolução das espécies foram instrumentos do Criador para permitir que o Cosmos e o ser humano atingissem suas potencialidades. “Quando lemos sobre a criação no Gênesis, corremos o risco de imaginar que Deus era um mágico com uma varinha capaz de fazer tudo. Mas não é isso”, disse.

 

Francisco abordou esses temas, que ainda dividem religiosos e cientistas mundo afora, em discurso na Cidade do Vaticano para os integrantes da Pontifícia Academia de Ciências. O órgão da Santa Sé reúne 80 cientistas de prestígio nomeados pelo chefe da Igreja Católica.

 

A teoria da evolução afirma que todos os seres vivos atuais descendem de um ancestral comum e que o principal mecanismo responsável pelo surgimento das características desses seres é a seleção natural. Já o Big Bang é uma explosão primordial que deu origem ao Universo. Não é a primeira vez que a Igreja Católica aceita a validade destes pilares da ciência.

 

A academia inclui vários ganhadores do Prêmio Nobel e dois brasileiros, o neurocientista Miguel Nicolelis e o físico Vanderlei Bagnato. A instituição tem liberdade para debater temas científicos sem intervenção da Igreja. “Deus deu autonomia aos seres do Universo, ao mesmo tempo em que lhes assegurou sua presença contínua”, declarou o sumo pontífice nascido argentino.

 

“Ele os criou e deixou que se desenvolvessem de acordo com as leis internas que estabeleceu para cada um deles. O Big Bang, que hoje se coloca como origem do mundo, não contradiz a intervenção criadora divina, mas a exige. A evolução, na natureza, não contrasta com a noção de criação, porque a evolução pressupõe a criação dos seres que passam a evoluir”, afirmou Francisco.

 

O discurso para os membros da academia aconteceu depois que o santo padre inaugurou um busto de seu antecessor, Bento XVI, que renunciou no ano passado, louvando-o como um defensor do diálogo entre ciência e fé.

 

Natureza

O tema da reunião atual da academia pontifícia é justamente a evolução do conceito de natureza, da visão estática que predominava na Antiguidade à visão dinâmica, em constante mutação, trazida pela ciência moderna.

 

Francisco aproveitou também para advertir os cientistas sobre o potencial da natureza humana para o bem e para o mal, que permite ao homem tanto proteger a evolução da criação divina como destruí-la, segundo ele.

 

A teoria do Big Bang foi formulada pelo padre católico e astrofísico belga Georges Lemaître. A princípio, ele a definiu como “hipótese do átomo primordial”. (da Folhapress)

 

Saiba mais

 

Outros papas já aceitaram as teorias

A fala de Francisco é exemplo raro de referências de papas aos pilares da ciência moderna. Mas, parece confirmar a acolhida à teoria da evolução já demonstrada por João Paulo II, em 1996. “Novas descobertas nos levam a reconhecer que a evolução é mais que hipótese. A convergência dos resultados de estudos independentes constitui, em si mesma, argumento significativo em favor da teoria”. O papa Pio XII chegou a usar o Big Bang, como argumento para “provar” a existência de Deus e foi o primeiro papa a dizer que católicos podiam estudar a teoria darwinista.

Fonte: O Povo